fbpx

Entenda um pouco mais sobre o Buda

Buda

Nascido em 623 antes da era comum, na cidade de Lumbini, no que na época era parte da índia, mas hoje pertence ao Nepal. Algumas referências divergem quanto a data exata de seu nascimento.

Poucos seres humanos alcançaram tal fama e renome quanto Siddhartha Gautama, a sofisticação e profundidade de seus ensinamentos, bem como o esplendor de sua realização, ultrapassaram línguas, culturas, fronteiras e continentes, numa época em que os veículos de comunicação não tinham o alcance e velocidade que tem hoje.

Do Afeganistão até o Japão, os ensinamentos de Siddhartha Gautama, por mais de 2 mil anos moldaram sociedades e apaziguaram poderosos exércitos, incluindo os mongóis. Os ensinamentos do Buda, sem sombra de dúvidas conquistaram os corações e mentes de milhões de ocidentais, um feito que por si só é admirável, visto que o Ocidente passa por uma fase de extremo materialismo e ceticismo.

Atualmente, o Budismo se divide em três escolas principais:

Theravada;

Mahayana;

Vajrayana.

A escola Theravada tem uma presença marcante em países do sudeste da Ásia, tais como, Tailândia, Myanmar e Camboja. Enquanto que o Budismo Mahayana tem uma presença mais forte em países dos leste da Ásia. O Budismo Vajrayana, ou Budismo tântrico, predomina no Tibete, Nepal, Mongólia, Butão e algumas partes da Rússia. Todas essas escolas de Budismo estão atualmente presente em países Ocidentais, incluindo o Brasil.

Todas as escolas Budistas possuem uma abordagem própria, mas fundamentalmente se baseiam nas quatro nobres verdades do Budismo.

  1. Sofrimento

A vida está sempre envolta em sofrimento, seja de forma óbvia ou sutil. Mesmo quando tudo parece estar correndo bem, nós sempre sentimos um pouco de ansiedade e incerteza interior.

  1. A causa do sofrimento

A causa do sofrimento é provocada pelo desejo e ignorância. Nós sofremos por causa da crença errônea de que somos um “eu”, separado, independente e sólido. O esforço doloroso e fútil em manter essa desilusão do ego é conhecida como samsara, ou existência cíclica.

  1. O fim do sofrimento

A boa notícia é que os nossos obscurecimentos são temporários. Eles são como nuvens passageiras que obscurecem o sol da nossa natureza iluminada, que é sempre presente. Assim, o sofrimento pode acabar por que os nossos obscurecimentos podem ser purificados, e a nossa mente desperta está sempre disponível.

  1. O caminho

Viver de forma ética, praticar meditação, e desenvolver sabedoria, nós podemos trilhar a mesma jornada para a iluminação e liberdade do sofrimento que os Budas trilharam. Nós também podemos despertar.

Assim como outras religiões dharmicas, os ensinamentos budistas são sempre atuais e aplicáveis em todas as esferas de nossas vidas. Num mundo tão caótico a atribulado como o atual, a mensagem budista de não violência e transformação interior nunca se fez tão necessária nas vidas de todos nós.

 

Namastê!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *